segunda-feira, 26 de setembro de 2016

26 prefeitos não disputam a reeleição no Rio Grande do Norte

Uma nova realidade sociopolítica surgiu nas eleições de 2016 no Rio Grande do Norte: Dos atuais 122 prefeitos com direito a disputar a reeleição, como permitido pela legislação eleitoral, 26 abdicaram da disputa e não estão concorrendo ao pleito. A atual realidade, inédita no estado, mostra o desestimulo dos prefeitos pela reeleição. As dificuldades em gerir os municípios no atual momento de crise financeira, com poucas receitas e comprometimento aos pagamentos a servidores e fornecedores, é o principal fator que tem desmotivado os gestores.

O levantamento foi feito pela Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte – FEMURN. Para o presidente da entidade, Ivan Lopes Júnior, a grave crise que assola as cidades tem afastado o interesse e empenho de pessoas públicas para do cenário político: “A situação é grave. Hoje, os gestores são meros pagadores de salários, pois praticamente não existem mais obras ou investimento nos municípios. Mas a situação financeira das prefeituras é tão ruim com os déficits que amargamos, que não mal temos condições de pagar os salários”, afirma, preocupado, Ivan Júnior.

Para Ivan, é natural o afastamento dos prefeitos na continuidade da gestão das cidades em um momento como este: “Gerir os municípios na atual crise é um verdadeiro ato de coragem. Há uma cobrança imensa da sociedade – que têm o direito de cobrar dos prefeitos – mas não há verbas para que possamos atender as demandas. É necessário que possamos fortalecer pautas como uma nova divisão tributária, para que os municípios tenham um retorno justo dos impostos, e cobrar dos entes superiores o repasse correto de convênios firmados”, diz Ivan.

3 comentários:

Anônimo disse...

Mesmo assim é possível fazer caixa por meio das secretarias. É a crise vai passar. Quem entrar agora em APODI vai ficar por anos. Dr. Paulo e Flaviano deveriam conversar nessa reta final. Todos estão vendo que entregar a prefeitura de volta ao PMDB vai ser uma perda grande. Não tem como voltar a ganhar se Alan vencer essa. Não vai ter como competir durante as próximas eleições. Deveriam fazer um acordo agora para não amargar uma derrota agora é na outra. Abram o oolho e esqueçam esse orgulho besta de vocês. Perder agora significa perder já na próxima do governo porque o governador não vai apoiar candidato derrotado. Ele vai querer renovar o mandato.

fabio neri disse...

Penso que fazer alianças a qualquer custo poderá trazer indesejados e graves problemas. Há exemplos próximos para justificar minha alegação. É preciso lutar e acreditar. Vamos sair da acomodação e pedir o voto de uma pessoa próxima para dar nova oportunidade a Flaviano.

Anônimo disse...

Eu e toda minha familia já demos essa oportunidade, dia 02 fora flaviano